SOBRE O BLOGUEIRO

Sou um Beatlemaniaco. Tudo começa assim... Fiquei reprovado duas vezes no Mobral, mas nunca desisti. Hoje, sou doutor em Parapsicologia formado na mesma turma do Padre Quevedo; sou antropólogo e sociólogo formado, com honra, em cursos por correspondência pelo Instituto Universal Brasileiro. Em minha vasta carreira acadêmica também frequentei até o nono ano de Medicina Cibernética, Letras Explosivas, Química da Pesada, Direito Irregularmente torto e assisti a quase todas as aulas do Telecurso 2000 repetidas vezes até desistir de vez. Minha maior descoberta foi uma fábrica secreta de cogumelos venenosos comestíveis no meio da Amazônia Boreal. Já tive duas bandas de Rock que nunca tocaram uma música se quer. Comi duas vezes, quando criança, caspas gigantes da China pensando que era merda amarela. Depois de tudo isso, tornei-me blogueiro. Se eu posso, você pode também. Sou um homem de muita opinião e isso desagrada muita gente. Os temas postados aqui objetivam enfurecer um bom número de cidadãos.

- [Portal da Língua Inglesa] -

Facebook Badge

domingo, 8 de setembro de 2013

“Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir...”



“Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir...” – Dalai Lama

Ao longo da vida, aprendemos que, seja qual for a jornada, ela não será nada fácil. Saber que momentos de turbulências irão surgir é preciso. Saber controlar essas turbulência será fator decisivo para os seus próximos passos. Nunca desanime no primeiro obstáculo. É natural sentir-se fraco (às vezes) e pequeno em meio à um mundo que parece cruel, mas se você continuar a caminhada, chegará.

Conheci pessoas que chegaram longe, mesmo com tudo indicando que nunca chegariam à lugar nenhum. Estou chegando na minha terceira década nesse planeta e posso dizer que aprendi muita coisa, mas foram os momentos mais difíceis que me ensinaram algo que ficou realmente marcado em minha vida. Aprendi e melhorei como pessoa!

Conheci países e pessoas, abracei diversas culturas e aprendi com cada ser que cruzou meu caminho, ainda que somente uma vez. Decidi remar contra a maré. Experimentei errar e correr riscos diversas vezes. Tudo isso que fiz ao longo dessa jornada, saindo de casa sem saber aonde iria chegar, fiz sem medo (embora tenha pensando que o pior poderia acontecer). Não cheguei ao local onde almejei, mas percebo que foi melhor assim. Aprendi com a vida o que uma faculdade nunca me ensinou. Ganhei amigos de verdade, amor de verdade, conheci meus inimigos de verdade, só porque deu tudo errado. Tive minhas decepções, é verdade, mas tenho certeza de que os que me decepcionaram hoje perderam mais com isso do que eu!


Se tivesse conquistado tudo aquilo que planejei, na hora que juguei ser a certa, provavelmente estaria sentindo um vazio dentro de mim agora. Com as falhas, ganhei a chance de recomeçar. Nunca fiz nada esperando recompensa. Isso talvez explique meu jeito aparentemente displicente em relação ao que os outros pensam sobre mim. Não estou preocupado se ocupado posição A ou B na sociedade (nunca foi meu intuito mesmo!).  No final da vida, você percebe mesmo é que as melhores coisas são as pessoas que você ama, os lugares que já viu e as memorias que teve ao longo do caminho.



Para terminar, deixo essa música (com tradução em português), que sempre me faz chorar. SEMPRE. Trata-se da música THE LONG AND WINDING ROAD dos Beatles e escrita pelo genial Paul McCartney. Se um dia eu não conseguir chegar aos meus 100 anos, espero que toquem essa música no meu funeral. Gostaria que todos olhassem para mim, não com um semblante triste, mas pensando, "lá se vai um cara que soube ser feliz nessa terra!"




Nenhum comentário: