SOBRE O BLOGUEIRO

Sou um Beatlemaniaco. Tudo começa assim... Fiquei reprovado duas vezes no Mobral, mas nunca desisti. Hoje, sou doutor em Parapsicologia formado na mesma turma do Padre Quevedo; sou antropólogo e sociólogo formado, com honra, em cursos por correspondência pelo Instituto Universal Brasileiro. Em minha vasta carreira acadêmica também frequentei até o nono ano de Medicina Cibernética, Letras Explosivas, Química da Pesada, Direito Irregularmente torto e assisti a quase todas as aulas do Telecurso 2000 repetidas vezes até desistir de vez. Minha maior descoberta foi uma fábrica secreta de cogumelos venenosos comestíveis no meio da Amazônia Boreal. Já tive duas bandas de Rock que nunca tocaram uma música se quer. Comi duas vezes, quando criança, caspas gigantes da China pensando que era merda amarela. Depois de tudo isso, tornei-me blogueiro. Se eu posso, você pode também. Sou um homem de muita opinião e isso desagrada muita gente. Os temas postados aqui objetivam enfurecer um bom número de cidadãos.

- [Portal da Língua Inglesa] -

Facebook Badge

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Um olhar sobre a literatura nonsense inglesa: a Alice que se disfarça de possível.

[flux-fotography-alice-in-wonderland]


 “Alice estava começando a se cansar de ficar ali sentada ao lado da irmã no barranco e não ter nada que fazer: uma ou duas vezes espiara o livro que sua irmã estava lendo, mas não tinha figuras nem diálogos, “e para que serve um livro”, pensou Alice, “sem figuras nem diálogos?”.



Um dos clássicos mais aclamados da literatura mundial, Alice no país das maravilhas escrito pelo matemático Charles Dodgson, sobre o pseudônimo de Lewis Carroll, oferece ao público diversas temáticas que muitas vezes beiram o absurdo.

Para sermos mais claros e tecnicamente mais corretos, devemos nos referir à obra como sendo representante do nonsense, mas de que se trata esse termo? O nonsense não é algo falso. Mas também não é verdadeiro e nem pode ser. Na verdade, trata-se de uma proposição absurda que se disfarça de possível.
 
Erro, ilusão, loucura, fuga da realidade, o jogo de palavras e aquilo que não pode ser são alguns dos assuntos expostos na obra da menina que cai na toca do coelho para descobrir um mundo novo e tão irreal e fantasioso que permeia na imaginação de muitas crianças.

Escrito há dois séculos, Alice no país das maravilhas surgi como fruto da imaginação de Charles Dodgson às margens de um rio, quando o mesmo costumava contar estórias de uma menina em um mundo fantasioso e diferente do vivido pelo autor.  A mesma começa com Alice (provavelmente nome dado para homenagear a menina que costumava ouvir as estórias contadas por Carroll) seguindo um coelho de colete e relógio. É ai que temos a primeira cena sem sentindo, nonsense. Ora, como pode um coelho usar colete e relógio? Qual seria a preocupação de um animal com o tempo? O certo é que a menina vai parar em uma dimensão onde tudo é surreal, povoado por criaturas inusitadas que só poderiam existir em sonhos. Além do coelho que parece estar sempre atrasado (representação do homem moderno?), existe o gato cheshire, que tem o poder de aparecer e desaparecer quando quiser. Temos também a presença do chapeleiro maluco que está perpetuamente na hora do chá e foge da rainha de copas.

 O que essa obra nos mostra é a evidencia do absurdo, do sem sentido. Mas essas proporções parecem estar presentes na nossa vida o tempo todo. É só observar que nossas mães, quando ainda somos pequenos, tentam nos convencer a comer mais para podermos crescer. Isso não seria ilógico? Não. Não é absurdo afirmar que alguém cresce ou diminui tão logo coma ou deixe de comer. Não há dúvidas que o alimento é fundamental para o crescimento.  É o que acontece em Alice quando ela cresceu e diminuiu, coube e descoube nas medições de tal mundo apenas comendo um cogumelo. Claro que estamos falando de nonsense.


Até mesmo confusões e mal-entendidos lingüísticos corriqueiros estão presentes na obra de Carroll quando lemos “Ele está matando o tempo!” (cap. 7), de fato, não se pode matar o tempo já que ele não é um ser que pode morrer. Assim, temos mais uma vez o uso daquela proposição absurda que se disfarça de possível.

O leitor mais atento já deve ter notado que não dispomos de muito mais tempo para falarmos mais detalhadamente sobre o assunto. O que percebemos é que o nonsense não é uma falsidade e ainda faz uso do disfarce da realidade. Falso é alguma coisa que dizem que aconteceu sem ser verdade. Nonsense é algo que nem é e nem pode acontecer.

O que se aprende na obra Alice no país das maravilhas é a percepção do que há de nonsense no mundo dos adultos. Afinal, você, depois de ler esse ensaio, já não cabe mais nas roupas que cabia antes. Lembre-se que “a fantasia não é exatamente uma fuga da realidade. É um modo de entendê-la.”

por Bruno Coriolano



2 comentários:

Ana Caroline disse...

muito legal, ótimo post.

Bruno Coriolano disse...

Você leu todo mesmo? Gostou da parte onde falo dos Hipopotamídeos voadores da Macedônia?